Agricultores

___________________



Conhece as nossas estrelas

Os agricultores fazem a maior parte do trabalho ao trazerem a comida dos seus ombros até aos nossos pratos. Infelizmente, os agricultores também carregam o fardo das perdas e desperdício de alimentos impostos pelos padrões de beleza e pelas práticas do mercado. Nós trabalhamos diretamente com os agricultores para encontrar um novo mercado para os produtos que, normalmente, iriam para o lixo. Produtos imperfeitos das suas quintas diretamente para a tua porta.



Maria José

A Maria José passou os últimos 15 anos a produzir frutos vermelhos, como framboesas e morangos, no Alentejo, onde vive com o marido e duas filhas. Tem uma quinta de 10 hectares onde emprega 15 pessoas e produz 90 toneladas de framboesas e morangos ao longo do ano. Usa um modelo de rotação para garantir que diferentes partes da sua terra são produtivas ao longo de vários meses e, ao fazê-lo, a sua colheita dura de março a novembro. Antes de se tornar agricultora, Maria José licenciou-se em Gestão pela Universidade de Coimbra e exerceu diferentes funções em Lisboa.



Mina

Apresentamos-te a Rainha das Cenouras: Felismina Maria Rodrigues Espada! É graças a ela que todas as semanas recebes a tão necessária dose de Vitamina A & C. Trabalhadora e motivada, em 1990 fundou a Sociedade Agrícola das Medrosas Lda. Todas as semanas, Felismina e o seu marido plantam e mantêm quase 30 hectares de terra para lhe oferecer os melhores legumes possíveis: cenouras, cebolas, milho e batatas! A apenas uma hora da tua cozinha, a sua quinta fica situada na pequena região de Pegões.


Ricardo

Ricardo

Já te perguntaste de onde vêm os nossos deliciosos tomates, curgetes e pimentos? Apresentamos Ricardo Filipe Rodrigues Carreira de Torres Vedras. Na sua quinta de 25 hectares em Cabeça Gorda também cultiva feijão, pepino e diferentes tipos de batata doce. Juntamente com o irmão, Ricardo gere a quinta e faz sempre rir quando nos encontramos com ele. Ao longo dos próximos dois anos, ele planeia aumentar as partes de sua terra que ainda não produzem nenhum rendimento. Com isso, o nosso Ricardo espera poder oferecer produtos durante mais meses do ano. Até lá, ele está a gostar de trabalhar com a Equal Food Co. e encontrou um grande parceiro para vender os seus produtos de segunda categoria.


Cristina

Apetece-te algo doce? Bem, a Cristina é a tua miúda! Ao lado do seu marido, João Carlos, em 1993 fundaram a Moranguito Empresa Agricola Lda. Atualmente, os seus filhos João Levi e Sofia Lúcia também fazem parte da empresa e ajudam na quinta! Uma família de muitas maravilhas, eles não produzem apenas estes morangos de deixar água na boca, mas também framboesas e dióspiros: com uma produção anual de 350 toneladas! O seu objetivo nos próximos 2 anos é aumentar o valor dos recursos biológicos na produção. Este Inverno estás a precisar de um reforço para o seu sistema imunitário? Então, mantém-te fiel à tua dose de morangos...além do seu sabor delicioso, eles oferecem uma abundância de benefícios para a saúde e o bem-estar. Com uma grande fonte de fibras, vitamina C e antioxidantes! A Equal Food Co. ajuda-os com aqueles morangos que não têm uma boa aparência, mas têm um excelente sabor e propriedades nutricionais.



Daniela

Daniela

Conhece a Daniela Policarpo. Ela tem estado por detrás das suas batatas-doces que têm feito parte de quase todos os cabazes desde que começámos. Ela iniciou o seu negócio agrícola em 2002. N’A dos Cunhados, perto de Torres Vedras, ela cultiva a batata-doce que já conhece, juntamente com as abóboras e os famosos espinafres que lhe pedimos sempre.



Jorge

No final dos seus 50 anos, Jorge decidiu embarcar nesta viagem para produzir mirtilos. Ele teve o seu primeiro ano de produção em 2020 com uma produção de cerca de 220 toneladas: a produção máxima jamais alcançada na sua quinta. Os desafios foram numerosos logo no seu primeiro ano e a Equal Food Co. ajudou-o a vender as quantidades que ele não conseguia vender junto dos seus clientes. Apesar da nossa ajuda, na sua primeira colheita várias toneladas de produtos permaneceram nas plantas, pois os compradores regulares não as consideravam adequadas para venda devido ao seu tamanho e forma. É por isso que nós vamos continuar a ajudar o Jorge a superar todas estas dificuldades no futuro.


António

O António cultiva cerejas há vários anos no Fundão, Portugal. O Fundão é conhecido como a capital das cerejas por todas as cerejas que crescem na zona, mas também devido aos eventos que ocorrem em torno deste fruto, como a "Festa da Cereja". A época começa em abril e prolonga-se até meados do Verão. O António não consegue vender uma parte significativa das suas colheitas, devido a imperfeições visuais. Estas resultam de dias de chuva que são seguidos de muito sol, fazendo com que a cereja rebente e deixe uma pequena cicatriz no exterior.